Acesso através da análise de redes sociais à fitoterapia na saúde básica

Monique de Lima Fonseca Rodrigues, Marcia Gomide da Silva Mello

Resumen

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS) na última década houve aumento na busca nos países desenvolvidos de terapias alternativas, incluindo a fitoterapia. A OMS estima que 80% da população mundial utilize fitoterapia. Por esses motivos a OMS preconiza a implantação de Programas de Fitoterapia eficazes como uma questão global de saúde. A partir do estudo quanti-qualitativo, com abordagem na ARS realizou-se entrevistas, construção e análise das redes pessoais de usuários de fitoterapia de uma Unidade Básica de Saúde no Rio de Janeiro. O serviço de fitoterapia é mais indicado na rede pessoal (84,62%) que por profissional de saúde, o serviço público representa 8,97% do total de referenciados da rede, contra 91,03% de indicações privadas. A rede dos usuários de fitoterapia é fragmentada. Os profissionais de saúde da UBS investigada têm baixa centralidade de intermediação na rede. Nossos achados sugerem que o acesso à informação sobre a prática da fitoterapia e a indicação para o serviço de fitoterapia é mais referenciado na rede pessoal do que por profissional de saúde. Essas informações são fundamentais para o planejamento, avaliação e eventual reformulação das estratégias de acesso ao programa de fitoterapia e podem ser aplicadas a demais programas de saúde.

 

Palabras clave

Análise de redes sociais; serviços de saúde; fitoterapia; acesso

Texto completo:

PDF (Português)

Métricas de artículo

Cargando métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM
Copyright (c) 2019 Monique de Lima Fonseca Rodrigues, Marcia Gomide da Silva Mello