Grammar teaching in Portugal

Ana Luísa Costa, Sónia Valente Rodrigues

Abstract

Bien que certaines études montrent un fossé entre les pratiques curriculaires et les directives pour l’enseignement de la langue maternelle, le curriculum portugais a toujours laissé une place à l’enseignement de la grammaire. Le débat se concentre sur les questions "Pourquoi enseigner la grammaire?", "Quoi enseigner?" et "Comment enseigner?" Dans le cas portugais, en réponse à la première question, le développement de la conscience linguistique et de la connaissance explicite de la langue se pose afin de former des citoyens compétents sur le plan linguistique et discursif à l’utilisation de la langue dans des contextes oraux formels et publics, en lecture et en écriture. Après un aperçu des documents du programme, en réponse à la deuxième question, on explique quel conetnu de grammaire est enseigné dans le programme portugais. Enfin, comme il s’agit d’une des approches de l’enseignement de la grammaire avec davantage de recherches empiriques, le Laboratoire de grammaire est présenté comme une bonne pratique.

Keywords

Portuguese curriculum, grammar teaching, discovery-learning, Grammar Lab, L1-Education

Full Text:

PDF

References

Batalha, J. (2018). Relações entre conhecimento explícito da língua e a competência de leitura. (Doctoral dissertation). Retrieved from Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa http://hdl.handle.net/10362/43439

Brito, A. M. (1997). Retomar e reinventar o ensino da gramática da Língua Materna. In Associação de Professores de Português, Atas do 2.º Encontro Nacional da Associação de Professores de Português (pp. 54-64). Porto: Areal Editores.

Brito, A. M. (1998). Que gramáticas ensinar? A língua materna e a paixão de aprender. 2.º Encontro de Professores de Português. Homenagem a Eugénio de Andrade (pp. 255-261). Porto: Areal Editores.

Castro, R. V. (1995). Para a análise do discurso pedagógico. Constituição e transmissão da gramática escolar. Braga: Universidade do Minho.

Castro, R. V. (2000). De quem é esta gramática? Acerca do conhecimento gramatical escolar. In C. Reis (Ed.). Didáctica da língua e da literatura (Vol. 1, pp. 141 – 151). Coimbra: Almedina.

Costa, A. (2010). Estruturas contrastivas: desenvolvimento do conhecimento explícito e da competência de escrita (Doctoral dissertation). Retrieved from University of Lisbon http://hdl.handle.net/10451/2216

Costa, M. A. (1999). Incidências da investigação psicolinguística na didática da língua portuguesa. In C. Mello (Ed.), I Jornadas científico-pedagógicas de Português (pp. 91-112). Coimbra: Almedina.

Costa, J. (2007). Conhecimento gramatical à saída do ensino secundário: estado actual e consequências na relação com leitura, escrita e oralidade. In C. Reis (Ed.) Actas do Congresso Internacional sobre o Ensino do Português (pp. 149-165). Lisboa: Ministério da Educação-Direção-Geral da Inovação e Desenvolvimento Curricular.

Costa, J. (2008). Estudar gramática: (des)interesse e (in)utilidade. Revista do Externato Cooperativo da Benedita, 23-29.

Costa, J., Cabral, A. C., Santiago, A., & Viegas, F. (2011). Guião de implementação do Programa de Português do ensino básico – Conhecimento explícito da língua. Lisboa: Ministério da Educação- Direção-Geral da Inovação e Desenvolvimento Curricular.

Coutinho, M. A, Tanto, C., & Luís, R. (2015). O conhecimento explícito dos textos e da língua. In E. Leurquin, M. A. Coutinho & F. Miranda (Eds.), Formação docente. Textos, teorias e práticas (pp. 133-164). Campinas, SP: Mercado de Letras.

Delgado-Martins, M. R., Duarte, I., Miranda, A. J., & Barbeiro, L. F. (1987). Para uma caracterização do saber linguístico à entrada no ensino superior. Lisboa: Associação Portuguesa de Linguística.

Delgado-Martins, M. R., & Duarte, I. (1993). Brincar com a linguagem, conhecer a língua, fazer gramática. In M. F. Sequeira (Ed.), Linguagem e desenvolvimento (pp. 9-16). Braga: Universidade do Minho.

DGE-ME (2008). Dicionário terminológico em linha. Retrieved from DGE http://dt.dge.mec.pt/

DGE-ME (2018). Aprendizagens Essenciais. Lisboa: Direção-Geral da Educação. Retrieved from DGE http://www.dge.mec.pt/aprendizagens-essenciais-0

DGEBS (1991). Programa de Língua Portuguesa – Plano de Organização do Ensino/Aprendizagem – Ensino Básico – 3.º Ciclo, vol. I e II. Lisboa: Ministério da Educação-Direção-Geral dos Ensinos Básico e Secundário.

Duarte, I. (1991). Funcionamento da língua: a periferia dos NPP. In M. R. Delgado-Martins et al., Documentos do Encontro sobre os Novos Programas de Português (pp. 45-59). Lisboa: Colibri.

Duarte, I. (1992). Oficina gramatical: contextos de uso obrigatório de conjuntivo. In M. R. Delgado-Martins, D. Pereira, A. I. Mata, M. A. Costa, L. Prista, & I. Duarte, Para a didáctica do Português. Seis estudos de Linguística (pp. 165-177). Lisboa: Edições Colibri.

Duarte, I. (1993). O ensino da gramática como explicitação do conhecimento linguístico. In L. F. Barbeiro, E. Fonseca, C. Nobre e E. Machado (Eds.), Ensino-aprendizagem da língua portuguesa (pp. 49-60). Leiria: Escola Superior de Educação-Instituto Politécnico de Leiria.

Duarte, I. (1998). Algumas boas razões para ensinar gramática. A língua materna e a paixão de aprender. 2.º Encontro de Professores de Português. Homenagem a Eugénio de Andrade (pp. 110-123). Porto: Areal.

Duarte, I. (2008). O conhecimento da língua: desenvolver a consciência linguística (pp. 49-60). Lisboa: Ministério da Educação-Direção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular.

Duarte, R., & Rodrigues, S. V. (Ed.) (2008). Dificuldades dos alunos em Língua Portuguesa. Lisboa: Ministério da Educação-Direção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular.

Ellis, R. (2008). Explicit Form-Focused instruction and second language acquisition. In B. Spolsky & F. M. Hult (eds.), The handbook of educational linguistics (pp. 437-455). Oxford: Wiley-Blackwell.

Ferreira, P. (2012). Conceções e práticas dos professores de Língua Portuguesa em relação ao ensino e à aprendizagem da gramática: um estudo exploratório no 2.º Ciclo do ensino básico (Doctoral dissertation). Retrieved from Escola Superior de Educação de Lisboa http://hdl.handle.net/10400.21/2321

Ferreira, P. (2014). Conhecimento gramatical e conceções de futuros professores relativamente ao ensino e à aprendizagem da gramática. Tejuelo Monografico, 10, 27-48.

DOI: 10.17398/1988-8430

Fonseca, F. I. (1994). Gramática e Pragmática: estudos de Linguística Geral e de Linguística Aplicada ao ensino do Português. Porto: Porto Editora.

Fonseca, F. I. (2000). Da Linguística ao ensino do Português. In Neusa Bastos (Org.), Língua Portuguesa: teoria e método (pp. 11 – 28). São Paulo: Editora da PUC-SP.

Fonseca, F. I., & Fonseca, J. (1977/1990). Pragmática linguística e ensino do Português. Coimbra: Almedina.

Fonseca, J. (1986). A frase no texto. Algumas propostas de trabalho para a aula de língua materna. Palavras, 9, 11-14. Lisboa: Associação de Professores de Português.

Fonseca, J. (1988-89). Ensino da língua materna como pedagogia dos discursos. Diacrítica, 3-4, 63-77. Braga: Universidade do Minho.

Freitas, M. J.; Alves, D., & Costa, T. (2007). O conhecimento da língua: desenvolver a consciência fonológica. Lisboa: Ministério da Educação-Direção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular.

Gonçalves, F., Guerreiro, P., & Freitas, M. J. (2011). O conhecimento da língua: percursos de desenvolvimento. Lisboa: Ministério da Educação-Direção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular.

Hudson, R. (1992). Teaching grammar. A guide for the national curriculum. Oxford: Blackwell.

Lobo, A. (Ed.) (2001). O ensino e a aprendizagem do Português na transição do milénio. Relatório preliminar – Documento de trabalho. Lisboa: Associação de Professores de Português.

Lobo, A. (Ed.) (2002). O ensino e a aprendizagem do Português na transição do milénio. Relatório final do projecto «Português 2002». Lisboa: Associação de Professores de Português.

Lopes, A. C. M. (2005). O “conhecimento sobre a língua”: algumas reflexões. In M. L. Dionísio & R. V. Castro, O Português nas escolas. Ensaios sobre a língua e a literatura no ensino secundário (pp. 147 – 158). Coimbra: Almedina.

Lopes, A. C. M. (2006). O “conhecimento para a língua” no ensino do Português. In I. Duarte e P. Morão (orgs), Ensino do Português para o século XXI (pp. 75-82). Lisboa: Edições Colibri/Departamento de Linguística Geral e Românica e Departamento de Literaturas Românicas/Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.

Myhill, D. A., & Watson, A. (2014). The role of grammar in the writing curriculum: A review. Journal of Child Language Teaching and Therapy, 30 (1), 41-62. https://doi.org/10.1177/0265659013514070

Prista, L. (1992). Oito fichas de gramática. In M. R. Delgado-Martins, D. Pereira, A. I. Mata, M. A. Costa, L. Prista, & I. Duarte, Para a didáctica do Português. Seis estudos de Linguística (pp. 119-163). Lisboa: Edições Colibri.

Rodrigues, S. V. (2017). O ensino do Português nas primeiras décadas do século XXI. In Conselho Nacional de Educação, Lei de Bases do Sistema Educativo: balanço e prospetiva (Vol. I, pp. 247-291). Lisboa: Conselho Nacional de Educação.

Santos, A. L., & Costa, A. L. (1999). Grammar in the portuguese national curricula: What do we want to teach and why? In J. Sarkissian, Proceedings of the Twenty-second Annual Conference on the Teaching of Foreign Languages and Literatures (pp. 289-316). Youngstown State University.

Silva, M. C. V. (2010). Para uma didáctica da gramática: a aula de língua portuguesa como um laboratório de língua. XXV Encontro Nacional da Associação Portuguesa de Linguística: Selected Texts, 717-732.

Silvano, P., & Rodrigues, S. V. (2010). A Pedagogia dos Discursos e o Laboratório Gramatical no ensino da gramática. Uma proposta de articulação. In A. M. Brito (org.), Gramática: história, teorias, aplicações (pp. 275-286). Porto: Faculdade de Letras da Universidade do Porto-Centro de Linguística da Universidade do Porto.

Sim-Sim, I., & Rodrigues, P. (2006). O ensino da gramática visto por professores e alunos. In I. Sim-Sim (Ed.). Ler e ensinar a ler (pp. 125-138). Porto: Edições ASA.

Sim-Sim, I., Duarte, I., & Ferraz, M. J. (1997). A língua materna na educação básica – competências nucleares e níveis de desempenho. Lisboa: Ministério da Educação-Departamento do Ensino Básico.

Ucha, L. (ed.) (2007). Desempenho dos alunos em Língua Portuguesa – ponto da situação. Lisboa: Ministério da Educação-Direção-Geral de Inovação e Desenvolvimento Curricular.

Article Metrics

Metrics Loading ...

Metrics powered by PLOS ALM
Copyright (c) 2019 Bellaterra Journal of Teaching & Learning Language & Literature