Lar amargo lar: moradias insólitas nas narrativas de Clarice Lispector e de Murilo Rubião

Autores/as

  • Marisa Martins Gama-Khalil Universidade Federal de Uberlândia (UFU); Pesquisadora do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq)

Resumen

Trata-se de um estudo sobre a representação do espaço da moradia em narrativasfantásticas da literatura brasileira. Defendemos que a elaboração das referidas espacialidadesé que configura, em grande escala, a ambientação fantástica na trama ficcional.Algumas narrativas fantásticas de Murilo Rubião e de Clarice Lispector, emcontraponto com narrativas de Walpole, Poe, Kafka, Saramago e Cortázar, serão nossoobjeto de estudo. A base teórica sobre as espacialidades será ancorada especialmentepelos estudos de Foucault, Deleuze, Guattari e Bachelard.

 

 

Palabras clave

Literatura fantástica, espaço, moradia, Murilo Rubião, Clarice Lispector

Citas

Bachelard, Gaston (1996): A poética do espaço, Martins Fontes, São Paulo.

_ (2007): Aula (trad. Leyla Perrone-Moisés), Cultrix, SãoPaulo.

Barthes, Roland (2004): «O efeito do real», in O rumor da língua, Martins Fontes, São

Paulo, pp. 181-198.

Borges Filho, Ozíris (2007): Espaço e literatura: introdução à topoanálise, Ribeirão Gráfica

e Editora, Franca.

Candido, Antonio (2006): «A nova narrativa», in A educação pela noite, Ouro sobre Azul,

Rio de Janeiro, pp. 241-260.

Certeau, Michel de (1994): A invenção do cotidiano 1: As artes do fazer (trad. Ephraim

Ferreira Alves), Vozes, Petrópolis.

Cortázar, Julio (2005): «A casa tomada», in Alicia Ramal (org. e trad.), Contos latino-

-americanos eternos, Bom Texto Editora, Rio de Janeiro, pp. 7-9.

Deleuze, Gilles (1997): «A literatura e a vida», in Crítica e clínica (trad. Peter PalPelbart),Ed. 34, São Paulo, pp. 11-16.

Deleuze, Gilles, e Félix Guattari (1977): Kafka: Por uma literatura menor (trad. Julio Castañon Guimarães), Imago, Rio de Janeiro.

_ (1997): Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia, vol. 5 (trad. Peter PálPelbart e Janice Caiafa), Ed. 34, Rio de Janeiro.

_ (1995): Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia, vol.1 (trad. Aurélio Guerra Neto eCélia P. Costa), Ed. 34, Rio de Janeiro.

Eco, Umberto (1985): Pós-escrito a O nome da Rosa (trad. Letizia Zini Antunes e Álvaro Lorencini), Nova Fronteira, Rio de Janeiro.

Foucault, Michel (2000): «Linguagem e literatura», in Roberto Machado, Foucault: afilosofia e a literatura, Jorge Zahar, Rio de Janeiro, pp. 137-174.

_ (2001): «Prefácio à transgressão», in Manoel Barros da Motta (org.). Estética: literatura e pintura, música e cinema (trad. Inês Autran Dourado Barbosa), Forense Universitária (Ditos e Escritos III), Rio de Janeiro.

Furtado, Filipe (1980): A construção do fantástico na narrativa, Livros Horizonte, LIsboa.

García, Flavio (2011): «Fantástico: a manifestação do insólito ficcional entre modo discursivo e gênero literário – literaturas comparadas de língua portuguesa em diálogo com as tradições teórica, crítica e ficcional», in Anais do XII Congresso Internacional da ABRALIC: Centro, Centros – Ética, Estética. disponível em <http://www.abralic.org.br/anais/cong2011/AnaisOnline/resumos/TC0010-1.pdf>

novembro de 2012].

Genette, Gérard (1976): «Fronteiras da narrativa», in Roland Barthes et al., Análise estrutural da narrativa, Vozes, Petrópolis, pp. 255-274.

Hamon, Philippe (1976): «O que é uma descrição?», in Françoise Van Rossun-Guyon, Philippe Hamon e Daniele Sallenave, Categorias da narrativa, Vega, Lisboa, pp. 57-76.

Kafka, Franz (2000): O castelo (trad. Modesto Carone), Companhia das Letras, São Paulo.

Lispector, Clarice (1987): «A mensagem», in Felicidade clandestina, Nova Fronteira, Rio

de Janeiro.

Perrone-Moisés, Leyla (1990): «A fantástica verdade de Clarice», in Flores da escrivaninha,

Companhia das Letras, São Paulo, pp. 159-177.

_ (1990): «Balzac e as flores da escrivaninha», in Flores da escrivaninha, Companhia das Letras, São Paulo, pp. 44-66.

Poe, Edgar Allan (2001): Ficção completa, poesia & ensaios, Nova Aguilar, Rio de Janeiro.

Pound, Ezra (1970): Abc da literatura, Cultrix, São Paulo.

Rubião, Murilo (1999): Contos reunidos, Ática, São Paulo.

Saramago, José (1990): O conto da ilha desconhecida, Companhia das Letras, São Paulo.

Silveira, Nubia (2012): Julio Cortázar, um homem amável que gostava de escrever cartas.

Disponível em <http://www.sul21.com.br/jornal/2011/07> [26 novembro de

.

Todorov, Tzvetan (2004): Introdução à literatura fantástica (trad. Maria Clara Correa Castello), Perspectiva, São Paulo.

Walpole, Horace (1996): O Castelo de Otranto (trad. de Alberto Alexandre Martins),Nova Alexandria, São Paulo.

Biografía del autor/a

Marisa Martins Gama-Khalil, Universidade Federal de Uberlândia (UFU); Pesquisadora do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq)

Possui Mestrado em Letras: Literaturas de Língua Portuguesa pela UniversidadeEstadual Paulista Júlio de Mesquita Filho/Assis (1994) e Doutoradoem Estudos Literários pela Universidade Estadual Paulista Júlio de MesquitaFilho/Araraquara (2001). Trabalhou de 1987 a 2006 na Universidade Federalde Rondônia. Atualmente, é professora, nível Associado I, da UniversidadeFederal de Uberlândia, onde atua na graduação em Letras e no Mestrado emTeoria Literária. É também professora colaboradora do Mestrado em Letras:Linguagem e Identidade da UFAC - Universidade Federal do Acre. Seu projeto«Representações espaciais do horror na narrativa fantástica brasileira dosséculos XX e XXI» é contemplado com a bolsa de Produtividade em Pesquisa- CNPq. Tem livros, artigos e capítulos de livro publicados, com ênfase nasreflexões sobre o espaço ficcional e sobre a narrativa fantástica; bem como nasrelações plausíveis entre Teoria Literária e Análise do Discurso.

Publicado

15-05-2013

Cómo citar

Martins Gama-Khalil, M. (2013). Lar amargo lar: moradias insólitas nas narrativas de Clarice Lispector e de Murilo Rubião. rumal. evista e investigación obre o Fantástico, 1(1), 57–78. https://doi.org/10.5565/rev/brumal.31

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.