La economía del parto: Interfaces de la agenda neoliberal y de la lucha feminista por la humanización de la asistencia al parto.

Aline de Andrade Ramos Cavalcanti

Resumen

Una revisión atenta de la literatura sobre el proceso de medicalización e higienización en Francia y Brasil entre el fin del siglo XIX y comienzos del siglo XX demuestra que la entrada de los médicos en el campo de la asistencia al parto se dio con la colaboración del movimiento feminista. Ya entre los años 1920 y 1940, observamos una serie de técnicas y discursos elaborados por médicos disidentes en Rusia y Gran Bretaña que crearon las bases para el surgimiento de un movimiento global de mujeres por la reforma de los servicios de maternidad, conocido hoy como Movimiento por la Humanización del Parto y Nacimiento. Un análisis de la emergencia del discurso de la “Humanización del Parto” como “Legitimidad de una práctica basada en evidencias” permitió́ identificar la relación entre el desarrollo de nuevas técnicas corporales, conceptos y protocolos y la entrada del Banco Mundial en el diseño de políticas para el campo de la salud. En este trabajo se presenta una síntesis de una conferencia sobre un proyecto de tesis que pretende aclarar mejor estas cuestiones.

Palabras clave

Humanización del parto; Feminismo; Neoliberalismo

Texto completo:

PDF

Referencias

Amaral, Marival Cruz do (2008) “Mulheres, imprensa e higiene: a medicalização do parto na Bahia”, História, Ciências, Saúde – Manguinhos, nº15, 4, pp. 927–944. DOI 6.9195366

Anderson, Perry (1996) “Balanço do neoliberalismo”, En: Sader, Emir y Gentili, Pablo (orgs) Pós–Neoliberalismo: As políticas sociais e o estado democrático. Rio de Janeiro: Paz e Terra, pp.9–23.

Ayres, José Ricardo de Carvalho Mesquita (2005) “Hermenêutica e humanização das práticas de saúde”, Ciência e saúde coletiva, nº10, 3, pp.549–560. DOI 7.1602387

Barbosa, Regina Helena Simões (2006) “Humanização da Assistência à saúde das mulheres: Uma abordagem crítica de gênero”. En: Deslandes, Suely Ferreira (Org.). Humanização dos cuidados em Saúde. Conceitos, dilemas e práticas. Rio de Janeiro: Fiocruz. DOI 2.2138922

Benevides, Regina y Passos, Eduardo (2005) “A humanização como dimensão pública das políticas de saúde”, Ciência e saúde coletiva, nº10, 3, pp.561–571. DOI 7.8595796

Borón, Antílio (1996) “A sociedade civil depois do dilúvio neoliberal”, En: Sader, Emir y Gentili, Pablo (orgs) Pós–Neoliberalismo: As políticas sociais e o estado democrático. Rio de Janeiro: Paz e Terra, pp.63–118.

Bourdieu, Pierre (1998) Contrafogos: Táticas para enfrentar a invasão neoliberal. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor. DOI 2.1182601

Cavalcanti, Aline de Andrade Ramos (2010) As experiências de parto de mulheres jovens da Várzea: O movimento de humanização do parto no contexto de grupos sociais vulneráveis. 66f. (Trabalho de Conclusão de Curso) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

____(2014) Liberdade para nascer: Uma análise do discurso de humanização do parto no cinema documentário ativista. 174f. Dissertação. (Mestrado em Sociologia) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

Chomsky, Noam (2004) O lucro ou as pessoas? Neoliberalismo e ordem global. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Correia, Maria Valéria Costa (2005) Da Crise do Welfare State ao estado máximo para o capital en Correia, Maria Valéria Costa (2005) O conselho Nacional de Saúde e os Rumos da Política de Saúde Brasileira: mecanismo de controle social frente às condicionalidades dos organismos financeiros internacionais. 324f. Tese (Doutorado em Serviço Social) – Departamento de Serviço Social, Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

____ (2007) A Influência do Banco Mundial na orientação da política de saúde brasileira. In: Jornada Internacional de Políticas Públicas, nº3, São Luis.

Deslandes, Suely Ferreira (2004) “Análise do discurso oficial sobre a humanização da assistência hospitalar”, Ciência e saúde coletiva, nº9, 1, pp.7–14. DOI 5.1794786

Dias, Marcos Augusto Bastos y Domingues, Rosa Maria Soares Madeira (2005) “Desafios na implantação de uma política de humanização da assistência hospitalar ao parto”, Ciência e saúde coletiva, nº10, 3, pp. 699–705. DOI 6.7087393

Diniz, Carme Simone Grillo (2005) “Humanização da assistência ao parto no Brasil: os muitos sentidos de um movimento”, Ciência e saúde coletiva, nº10, 3, pp.627–637. DOI 6.6457253

Foucault, Michel (2004) Nascimento da biopolítica: Curso dado no Collège de France (1978 – 1979). São Paulo: Martins Fontes.

Fraser, Nancy (1991) “La lucha por las necesidades: Esbozo de una teoría crítica socialista–feminista de la cultura política del capitalismo tardío”, Debate Feminista, nº2, 3, pp.3–40.

____(1997) “Heterosexismo, falta de reconocimiento y capitalismo: Una respuesta a Judith Butler”, Social Text, nº52–53, pp. 279–289.

____(2001) “Da redistribuição ao reconhecimento? Dilemas da justiça na era pós–socialista” en Souza, Jessé (Org.). Democracia hoje: novos desafios para a teoria democrática contemporânea. Brasília: Editora UnB.

____(2007) “Mapeando a imaginação feminista: da redistribuição ao reconhecimento e à representação”, Revista Estudos Feministas, nº15, 2, pp.291–308. DOI 7.196935

____(2009) “O Feminismo, o capitalismo e a astúcia da história”, Mediações, nº14, 2, pp.11–33. DOI 4.6072826

____(2011). Dilemas de la justicia en el siglo XXI. Género y globalización. Illes Balears: Edicions UIB.

____(2012) “La política feminista en la era del reconocimiento: un enfoque bidimensional de la justicia de género”, Revista de história de las mujeres, nº19, 2, pp.267–286.

____(2014) “Tras la morada oculta de Marx: Por una concepción ampliada del capitalismo”, New Left Review, nº86, pp.57–76.

____(2015) Fortunas del feminismo, Ecuador y Madrid: Instituto de Altos Estudios Nacionales, Traficantes de Sueños.

Harvey, David (2007) Breve historia del neoliberalismo. Madrid: Ediciones Akal.

____(2004) El nuevo imperialismo. Madrid: Ediciones Akal.

Martin, Emily (2006) A mulher no corpo. Uma análise cultural da reprodução. Rio de Janeiro: Garamond universitária.

Martins, Ana Paula Vosne (2008) “Vamos criar seu filho: os médicos puericultores e a pedagogia materna no século XX”, História, Ciências, Saúde – Manguinhos, nº15, 1, pp.135–154. DOI 7.1986156

Mattos, Ruben Araújo de (2001) “As agências internacionais e as políticas de saúde nos anos 90: um panorama geral da oferta de idéias. Ciências e saúde coletiva”, nº6, 2, pp. 377–389. DOI 6.6833053

Mizoczky, Maria Ceci Araújo (2003) “O Banco Mundial e a reconfiguração do campo das agências internacionais de saúde: Uma análise multiparadigmática”, RAP Rio de Janeiro, nº37, 1, pp. 75–97.

Odent, Michel (2003) O Camponês e a Parteira. Rio de Janeiro: Editora Ground.

Oliveira, Francisco (1996) “Neoliberalismo à brasileira” en Sader, Emir y Gentili, Pablo (orgs) Pós–Neoliberalismo: As políticas sociais e o estado democrático. Rio de Janeiro: Paz e Terra, pp. 24–28

Rizzotto, Maria Lucia Frizon (2000) “A trajetória da saúde no interior do Banco Mundial” en Rizzotto, Maria Lucia Frizon (2000) O Banco Mundial e as políticas de saúde nos anos 90: um projeto de desmonte do SUS. 266f. Tese (Doutorado em Saúde Coletiva) – Faculdade de Ciências Médicas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Sader, Emir (2013) “A construção da hegemonia pós–neoliberal” en Sader, Emir (Org.) 10 anos de governos pós–neoliberais no Brasil: Lula e Dilma. São Paulo: Boitempo; Rio de Janeiro: Flasco Brasil, pp.135–143.

Teixeira, Ricardo Rodrigues (2005) “Humanização e atenção primária a saúde”, Ciência & Saúde Coletiva, nº10, 3, pp.585–597. DOI 6.1717577

Thebaud, Françoise (2002) “A medicalização do parto e suas consequências: o exemplo da França no período entre as duas guerras”, Revista de Estudos Feministas, nº10, 2, pp. 415–426. DOI 6.4961

Therborn, Goran (1996) “A crise e o futuro do capitalismo” en Sader, Emir y Gentili, Pablo (orgs) Pós–Neoliberalismo: As políticas sociais e o estado democrático. Rio de Janeiro: Paz e Terra, pp. 39–61

Vellay, Pierre et al. (1967). Parto sem dor. São Paulo: Ibrasa.

Copyright (c) 2016 Aline de Andrade Ramos Cavalcanti